segunda-feira, 23 de julho de 2012

Imagens mostram problemas em abrigo para jovens infratores no Rio


O Fantástico mostrou no domingo (22) o drama vivido por jovens infratores que cumprem medidas socioeducativas em diversos estados do Brasil. No Rio, a situação dos menores internados no Instituto Padre Severino, na Ilha do Governador, é preocupante. Imagens inéditas mostram a falta de estrutura da unidade. Os adolescentes ainda dizem ser vítimas de violência.


Falta de espaço. Num lugar onde existem oito camas, dormem 14 jovens. Eles mostram como é preciso improvisar na hora de dormir. Os banheiros têm problemas com rachaduras, com vasos sem tampa e entupimentos. Não há luz no banheiro e a pia não tem bica.
“Isso aqui fica entupido. Nós toma banho aí, quando chove a água não desce direito”, conta um menor.
Colchões e toalhas são artigos de luxo e estão em péssimas condições de conservação. A falta de higiene no local atrai visitantes indesejados.
“Tem rato aí no chão. barata, lacraia, vários 'bagulhos' rolando no chão aí”, reclama um menor. 
Um garoto conta como faz para fugir dos intrusos.
“Nós ‘tem’ que botar a blusa aqui assim, ó, para dormir, entre o olho, o ouvido, o nariz e a boca. para não entrar no nosso ouvido, nem nada. Sai rato dali também”, aponta o rapaz.
Mas não é dos animais que eles sentem mais medo. Eles temem as agressões sofridas pelos funcionários. E relatam como acontece:
“Bota todo mundo a mão para trás. Ele pega e dá tapa na cara. Fica só batendo, batendo, batendo. Nós ‘fica’ só chorando, chorando”, relata um interno.
Os motivos para as agressões podem ser os mais banais. Segundo os internos, os agressores batem somente na cara e de mão aberta, jogam spray de pimenta.
O Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase), responsável pela unidade, informou que vai apurar os relatos de violência. E ressalta que as câmeras dentro do instituto filmariam as agressões. Mas os adolescentes dizem que isso de nada adianta, já que as agressões ocorrem em pontos cegos, onde as câmeras não alcançam.
Apesar de tudo, ainda existe quem consiga se reabilitar. Michelle Félix ficou internada mais de um ano em uma unidade do Degase por tráfico de drogas. Atualmente, ela é apresentadora da TV Novo Degase. Ela chegou a ir a Brasília, onde entrevistou políticos. E conheceu um outro lado da capital brasileira, que não tem segurança, moradia, saúde ou saneamento básico.
“A gente é prova disso. A gente é da TV Novo Degase, a gente passou pelo sistema, e hoje a gente está aí trabalhando e ganhando dinheiro com isso. Por que não pode?”, diz Michelle
Apuração com rigor e critério
O diretor geral do Degase, Alexandre Azevedo, diz que as denúncias de maus tratos no Instituto Padre Severino estão sendo apuradas com o devido rigor e com muito critério, já que a unidade é monitorada, como informou ao Bom Dia Rio.

“Essa unidade está prestes a ser interligada ao sistema de monitoramente on line, mais moderno do país. E é uma excepcionalidade, já que não há outro estado que o tenha o projeto Horus. Para deslocamentos dentro da unidade, você não tem como não ser visto. Mesmo assim, a corregedoria já foi acionada e já está apurando o que foi denunciado”, disse o diretor.
Azevedo admite que não existe um monitoramento total e que há locais onde as câmeras não filme, mas garante que impossível não ver os deslocamentos dos funcionários e dos menores na unidade. Mas o caso está sendo apurado. Se constatada a veracidade das denúncias, segundo o diretor, o autor da agressão vai responder a processo e inquérito administrativo. Caso a denúncia não se confirme, todas as informações serão anexadas ao processo do menor, que será encaminhado à Vara da Infância e da Juventude.
O diretor afirma que o Instituto Padre Severino tem arquitetura de alojamentos inadequada. Mas que providências estão sendo tomadas para melhorar a infraestrutura de acolhimento de menores. Segundo ele, foi feito projeto e já se inaugurou uma unidade para atender o Instituto João Luiz Alves, no Rio, outra para atender a Baixada Fluminense e já existe um prédio pronto para atender a todos os meninos da capital.
Azevedo destacou ainda que em dois meses inaugura um centro de atendimento em Campos dos Goytacazes, que vai atender 25 municípios do Norte Fluminense, e outro em Volta Redonda, para acolher os menores de outros 25 municípios do Sul Fluminense.

Fonte: G1

Um comentário:

  1. Meu filho de 16 anos passou pela instituição Padre severino ,é realmente muito sujo,os menores vestem blusas rasgadas,não podem usar cuecas,logo ao chegarem tem a cabeça raspada,e alguns funcionarios encaram e provocam os adolescentes o tempo inteiro,eu saia de la muito preocupada,pois eles não tem como se defender.Realmente eles ficam em numero de 14 por alojamento,é tudo muito sujo,a visita acontece no refeitorio é um calor infernal,no João Luiz Alves é mais limpo,oferecem cursos,o diretor é muito atencioso até mesmo com as mães,mas a instituição em si precisa de muita melhora,lá tambem tem aqueles funcionarios que abusam mesmo,bem em fim, meu filho saiu de la sem nenhuma melhora ao contrario conheceu outros menores la dentro e cada um que ia saindo faziam contato pra fazer besteira.O sistema não funciona ,não melhora os adolescentes.meu filho foi parar la por esta conduzindo um veiculo roubado,e ficou 3meses,internado e saiu de la querendo ser bandido,ele não é viciado e nunca trabalhou pro trafico,ele tinha saido pra dar umas voltas com um adolescente que ja tinha passagem e estava com esse carro .

    ResponderExcluir